Fiscalização mais dura para casas noturnas
09/03/2017
A fiscalização de casas noturnas deve ficar ainda mais rigorosa.
Isso porque a Câmara dos Deputados aprovou um projeto que reforça pontos importantes sobre vistoria e liberação para funcionamento de bares, boates e eventos.

Das propostas do texto, está a que todo estabelecimento com capacidade para mais de cem pessoas passe todo ano por inspeção, que fica aos cuidados do Corpo de Bombeiros, prefeitura ou outro órgão destinado ao serviço.
O empresário que desrespeitar a lotação máxima indicada pelas autoridades, e colocar gente a mais, pode acabar detido e pegar até dois anos de prisão.

Outro ponto importante, é o fim das comandas.
A ideia é que com isso não fique nada pendente entre cliente e bar.
Se for preciso sair do local por conta de algum incidente, ninguém deixa de pagar, o que descarta qualquer impedimento de saída do público, por parte de seguranças ou funcionários.

De acordo com relatos, durante o incêndio da Boate Kiss, que aconteceu em 2013 em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, e que deixou 240 mortos, muita gente tentou fugir, mas foi barrada, porque ainda estava com comanda aberta.
Por fim, mais uma vez, o projeto reforça a autoridade do Corpo de Bombeiros e demais fiscais: se riscos forem encontrados e exigências não forem cumpridas, o que resta é a interdição.