JBS inicia distribuição de 120 mil refeições

Entregas serão realizadas entre 16 e 23 de outubro a famílias do Maranhão, Pará, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal

São Paulo, 15 de outubro de 2020 – A JBS programou para 16 de outubro, Dia Mundial da Alimentação, um pacote de ações solidárias e de conscientização para ampliar o debate sobre segurança alimentar, consumo consciente e produção sustentável. Para cumprir a programação, a empresa mobilizou voluntários e ONGs que vão organizar e distribuir, entre 16 e 23 de outubro, 120 mil refeições, beneficiando famílias do Maranhão, Pará, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal.

“Alimentar uma população global crescente exige das indústrias sustentabilidade e inovação. E é isso que estamos nos propondo a fazer e a debater”, explica Gilberto Tomazoni, CEO Global da JBS.   

O Dia Mundial da Alimentação foi criado em 1981 pela FAO, Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agropecuária, e, desde então, inspira milhões de pessoas e empresas a fazerem uma reflexão sobre o tema. Em 2020, destaca ações necessárias para retomar a meta global do Fome Zero, um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.


Doações

Neste ano, a JBS já entregou mais de 400 toneladas de proteína e mais de um milhão de itens de higiene e limpeza para centenas de entidades, hospitais e comunidades do país. Complementam esse quadro a entrega de 556 mil cestas básicas, que beneficiaram famílias carentes de diferentes regiões do país. Ambas ações foram coordenadas pelo programa de responsabilidade social da Companhia, o “Fazer o Bem Faz Bem – Alimentando o mundo com solidariedade”.

“As ações programadas para este Dia Mundial da Alimentação são, portanto, uma extensão desse compromisso social da empresa, que trabalha incansavelmente para levar alimentos de qualidade a um número cada vez maior de pessoas”, ressalta Tomazoni. A JBS, na condição de empresa global, também mantém ações sociais em outros países, tais como Estados Unidos, Austrália, Inglaterra e Vietnã.

Uma das instituições que receberão o apoio da JBS é oPrograma Mães da Favela, projeto daCentral Única das Favelas (CUFA) com o objetivo de amenizar os impactos do isolamento social e econômico causados pela pandemia de Covid-19 para milhões de mães solo moradoras de favela de todo o Brasil. O programa distribui cestas básicas, físicas e cartões alimentação digitais, nas mais de 5 mil favelas onde a Cufa tem atuação. Muitas das Mães da Favela que também são cozinheiras foram capacitadas para a produção de alimentos e agora vão produzir refeições e sair às ruas para doar àqueles que mais precisam. Celso Athayde, fundador da Cufa, é um dos membros do comitê social do Fazer o Bem Faz Bem, e um dos idealizadores da ação do Dia Mundial da Alimentação da JBS.

“Acreditamos muito na potência de realização de quem mora nas favelas. Nada melhor do que escolher as mães beneficiadas pelo projeto e que são empreendedoras para devolverem à sociedade um pouco desta solidariedade e mostrarem os seus trabalhos”, afirma Athayde.

Outra entidade que participará das doações será o Projeto Mãos de Maria, de Paraisópolis, na zona sul paulistana, que reúne um grupo de mulheres da comunidade que preparam refeições diariamente distribuídas aos moradores da favela. O Fazer O Bem Faz Bem já havia doado 55 kits de cozinha compostos por geladeiras, fogões, jogos de panelas, botijões de gás e cinco toneladas de proteína. As 55 mulheres selecionadas também participarão de uma capacitação em empreendedorismo patrocinada pelo Fazer o Bem Faz Beme criada pelo movimento Pra>Frente, uma iniciativa da Fundação Dom Cabral, que, ao lado de empresas, organizações sociais e do poder público, impulsiona o desenvolvimento econômico e bem-estar social de pessoas em situação de vulnerabilidade.
Agora, durante a ação do Dia da Alimentação, as instituições receberão legumes, proteínas, arroz e feijão para prepararem refeições aos moradores dessas comunidades, que serão distribuídas a partir desta sexta-feira (16).
Debate com especialistas

Também em 16 de outubro, Tomazoni e convidados vão debater, às 10h da manhã, em uma transmissão pela internet, questões relativas à nutrição, alimentação e consumo consciente. A iniciativa tem o apoio da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e parceria de mídia com o jornal inglês Financial Times.

Entre os convidados estão PeerEderer, cientista e diretor da Global Food and Agribusiness Network, Lesley Mitchell, diretora associada de nutrição sustentável da Forum For The Future, e Cesar Campos, da FGV Europe. A abertura do debate será conduzida por John Moncure, diretor do Financial Times para América Latina e Caribe, e a moderação de Bryan Harris, chefe de redação do Financial Times em São Paulo.

A transmissão é aberta e gratuita. Para acompanhá-la é necessário se inscrever no link: https://evento.fgv.br/worldfoodday/

Sobre a JBS

A JBS é uma das líderes globais da indústria de alimentos e conta com uma plataforma global de produção diversificada. A Companhia possuimais de 245 mil colaboradores, em unidades de produção ou escritórios em todos os continentes, em países como Brasil, Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Austrália, China, entre outros – no Brasil são mais de 135 mil colaboradores, sendo a empresa a maior empregadora privadas do país.  

No mundo todo, a JBS oferece um amplo portfólio de marcas reconhecidas pela excelência e inovação: Swift, Moy Park, Pilgrim’s Pride, Primo, Seara, Friboi, Gold’n Plump, entre outras. São mais de 275 mil clientes atendidos em todo o mundo, de 190 nacionalidades. Com foco em inovação, essa diretriz se reflete também na gestão de negócios correlacionados, como couros, biodiesel, colágeno, higiene pessoal e limpeza, envoltórios naturais, soluções em gestão de resíduos sólidos, reciclagem, embalagens metálicas e transportes.  

A Companhia conduz suas operações com foco na alta qualidade e na segurança dos alimentos e adota as melhores práticas de sustentabilidade em toda sua cadeia de valor. Por meio do uso de imagens de satélite, mapas georreferenciados e dados públicos oficiais, a JBS monitora seus fornecedores de forma permanente. A companhia também está implementando uma plataforma Blockchain para monitorar também os demais elos da sua cadeia de fornecimento e assim, contruibuir para a preservação da Floresta Amazônica.

Fotos